LIÇÃO 183 do Livro de Exercícios de “Um Curso em Milagres” (UCEM)




LIÇÃO 183

Invoco o Nome de Deus e o meu próprio.



1. O Nome de Deus é santo, mas não é mais santo do que o teu. Invocar o Nome de Deus é apenas invocar o teu próprio nome. Um pai dá o seu nome ao filho e assim identifica o filho com ele. Os irmãos compartilham do nome e assim são unidos por um laço ao qual se voltam para se identificarem. O Nome do teu Pai te lembra de quem és, mesmo num mundo que não conheces; mesmo que não te lembres disso.

2. O Nome de Deus não pode ser ouvido sem resposta nem dito sem um eco na mente que te convida a te lembrares. Dize o Nome de Deus e estarás convidando os anjos a rodearem a terra que pisas e a cantarem para ti enquanto estendem as asas para manter-te a salvo e abrigar-te de todo pensamento mundano que interferiria na tua santidade.

3. Repete o Nome de Deus e todo o mundo responde deixando de lado as ilusões. Todos os sonhos que o mundo valoriza desaparecem subitamente e, onde pareciam estar, achas uma estrela, um milagre de graça. Os enfermos se levantam, curados de seus pensamentos doentios. Os cegos podem ver; os surdos podem ouvir. Os pesarosos se desfazem das suas lamentações e as lágrimas de dor secam quando o riso feliz vem para abençoar o mundo.

4. Repete o Nome de Deus e nomes pequenos perdem o significado. Todas as tentações tornam-se coisas inomináveis e indesejadas diante do Nome de Deus. Repete o Seu Nome e vê quão facilmente esquecerás os nomes de todos os deuses que valorizaste. Eles perderam o nome de deus que tu lhes deste. Tornam-se anônimos e sem valor para ti, embora antes de deixar que o Nome de Deus substituísse os teus pequenos nomes, tenhas permanecido perante eles em adoração chamando-os de deuses.

5. Repete o Nome de Deus e invocas o teu Ser, Cujo Nome é o Seu. Repete o Seu Nome e todas as diminutas coisas sem nome da terra entram rapidamente em perspectiva certa. Aqueles que invocam o Nome de Deus não podem confundir o sem nome pelo Nome, nem o pecado pela graça e nem corpos pelo Filho santo de Deus. E se te unires a um irmão enquanto sentas com ele em silêncio e repetires o Nome de Deus junto com ele no interior da tua mente quieta, lá terás estabelecido um altar que alcança o Próprio Deus e o Seu Filho.

6. Pratica apenas isso hoje; repete lentamente o Nome de Deus mais uma vez e ainda outra vez. Relega ao esquecimento todos os nomes, menos o Seu. Não ouças mais nada. Deixa que todos os teus pensamentos se ancorem nisso. Não usamos nenhuma outra palavra, a não ser no começo, quando pronunciamos a ideia de hoje apenas uma vez. E depois o Nome de Deus torna-se o nosso único pensamento, a nossa única palavra, a única coisa que ocupa as nossas mentes, o único desejo que temos, o único som que tem qualquer significado e o único Nome de tudo o que desejamos ver; de tudo o que chamaríamos de nosso.

7. Assim, fazemos um convite que nunca pode ser recusado. E Deus virá e Ele Próprio te responderá. Não penses que Ele ouve as pequenas preces daqueles que O invocam com os nomes dos ídolos que o mundo tem em grande estima. Eles não podem alcançá-Lo desse modo. Ele não pode ouvir pedidos nos quais Ele não seja Ele Mesmo, ou Seu Filho receba outro nome que não é o Seu.

8. Repete o Nome de Deus e tu O reconheces como o único Criador da realidade. E também reconheces que o Seu Filho é parte Dele, criando em Seu Nome. Senta-te silenciosamente e deixa que o Seu Nome torne-se a ideia toda abrangente que ocupa a tua mente por completo. Deixa que todos os pensamentos se aquietem menos esse. E a todos os outros pensamentos responde com esse e vê o Nome de Deus tomar o lugar dos milhares de pequenos nomes que deste aos teus pensamentos, sem reconhecer que há apenas um Nome para tudo o que é e tudo o que será.

9. Hoje podes alcançar um estado em que experimentarás a dádiva da graça. Podes escapar de toda a escravidão do mundo e dar ao mundo a mesma liberação que achaste. Podes lembrar-te do que o mundo esqueceu e oferecer-lhe a tua própria memória. Hoje, podes aceitar o papel que desempenhas na salvação do mundo e na tua própria também. E ambas podem ser perfeitamente realizadas.

10. Volta-te para o Nome de Deus para a tua liberação e ela te é dada. Nenhuma outra prece senão essa é necessária, pois contém em si todas as preces. As palavras são insignificantes e todos os pedidos desnecessários quando o Filho de Deus invoca o Nome do seu Pai. Os Pensamentos do seu Pai tornam-se os seus próprios. Ele reivindica o próprio direito a tudo o que o seu Pai deu, ainda está dando e dará para sempre. Ele O invoca para deixar que todas as coisas que pensou ter feito sejam sem nome agora, e no seu lugar o santo Nome de Deus torne-se o seu julgamento sobre a falta de valor de todas as coisas.

11. Todas as pequenas coisas estão em silêncio. Agora, os pequenos sons são inaudíveis. As pequenas coisas da terra desapareceram. O universo não consiste de nada além do Filho de Deus, que invoca o seu Pai. E a Voz do seu Pai dá a resposta no santo Nome do seu Pai. Nesse relacionamento eterno e sereno, em que a comunicação transcende de longe todas as palavras e ainda assim excede em profundidade e altura tudo o que as palavras possam jamais transmitir, está a paz eterna. Em Nome do nosso Pai, hoje, queremos experimentar essa paz. E em Seu Nome, ela nos será dada.


Assista abaixo a gravação da leitura feita pela Paulinha Oliveira ou ouça em nosso perfil no Spotify: